Melhorar arborização é desafio em Rondonópolis

Melhorar arborização é desafio em Rondonópolis

De: atribunamt

Nos dias atuais Rondonópolis vive o problema da falta de arborização. Tal situação contribui para o número limitado de locais sombreados, justamente numa região caracterizada pelo clima mais quente. A realidade divide opiniões entre os moradores locais, com pessoas que ignoram a deficiência, não possuem consciência ambiental e, por outro lado, com pessoas que entendem a necessidade de melhorar essa arborização.
Incomodado com esse cenário urbano de Rondonópolis, o empresário Luiz Antônio Ortolan Salles, por exemplo, é uma das pessoas que questiona o fato do município não ser tão arborizado e, também, com o que chama de corte excessivo e inadequado de algumas plantas.
Como exemplo desse exagero, Luiz citou a situação que ocorre em frente do próprio local de trabalho, no Centro da cidade. Ele relatou que já cuidava há um certo tempo das árvores mas, na semana passada, a pedido da concessionária de energia elétrica, as mesmas foram drasticamente podadas. O empresário não se conforma com a maneira que as árvores foram cortadas.

Não por menos, Luiz defende que Rondonópolis precisa ser melhor arborizada e cita exemplos de locais onde isso vem ocorrendo. Aqui mesmo no município, segundo ele, é possível encontrar bons exemplos em se tratando de arborização. Trata-se de algumas ruas dos bairros Vila Aurora, Vila Planalto, Vila Birigui e Jardim Pindorama.
“Porém, eu acredito que aqui existem mais árvores estragadas do que preservadas. Situação diferente de Maringá, que é um dos municípios de referência em arborização no Brasil. O que falta em Rondonópolis é maior conscientização da população e uma intervenção maior do poder público na conservação das árvores”, avaliou.
Ele destacou o impacto que esse problema pode gerar, principalmente relacionado ao clima. Para se ter uma ideia, numa comparação feita através de um termômetro que pode medir a temperatura até cinco metros de distância, em um local sombreado, é possível registrar entre 28 e 30 graus. Já em espaços em que não há tanta sombra são registrados mais de 60 graus.
“Se Rondonópolis fosse mais arborizada tenho certeza que o clima na cidade seria mais ameno e haveria uma redução de três, quatro ou até mais graus na temperatura”, afirmou o empresário.

MELHORIA NA ARBORIZAÇÃO
O paisagista Cláudio Ferreira, que é uma referência no setor, observa a gravidade do problema da deficiência na arborização. “A insolação é maior por estarmos mais próximos da linha do Equador. E como nos encontramos no centro da Terra, consequentemente estamos mais perto do Sol”, explicou.
Outro problema citado pelo profissional é a baixa umidade registrada no município em determinados períodos. Por isso, o calor e a umidade do ar tem tornado insatisfatório a qualidade de vida.
Além dessa questão, que para Cláudio é natural, ainda há o problema da poluição. Para o paisagista, a arborização é uma ação que pode amenizar esses dramas. “A árvore ajuda a diminuir a incidência de luz solar sobre elementos construtivos urbanos como pavimentos, paredes, vidros e etc.”, declarou.
Ou seja, com a presença de árvores há diminuição do calor no ambiente e isso contribuirá para que a cidade tenha um microclima melhor. Além de auxiliar em uma baixa da poluição urbana.
Conforme Cláudio Ferreira, a arborização faz parte do paisagismo, que deveria ser adotado como política pública. Ele reiterou que o paisagismo é feito em áreas não edificadas (como jardins e áreas de uso comum, como calçadas e praças), mas que atualmente não têm sido valorizadas e não possuem o devido tratamento pelo poder público.
Ainda segundo a visão do profissional, a sociedade dever ser conscientizada e preparada para compreender e identificar as necessidades do paisagismo na cidade.
Cláudio citou o projeto que tem realizado em Rondonópolis onde tem plantado árvores em alguns bairros. De acordo com ele, só em 2017 foram plantadas 800 árvores e também doadas várias mudas para as pessoas.

Fotos: Luiz Antônio Ortolan Salles

0 Comment